segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

A ARCA DA ALIANÇA DOS HEBREUS – GOLDEN STOOL - ARCA DA ALIANÇA DOS ASHANTIS



Por Walter Passos, historiador, panafricanista, afrocentrista, teólogo e membro da COPATZION (Comunidade Pan-Africanista de Tzion). Pseudônimo: Kefing Foluke.
E-mail: walterpassos21@yahoo.com.br
Skype: lindoebano


"A verdadeira justiça é a justiça de Deus." Provérbio ashanti
«E ele fará sobressair a tua justiça como a luz, e o teu direito como o meio-dia.»
Salmo 37:6
Buscai em primeiro o Reino de Yah e a sua justiça e todas essas coisas vos serão dadas em acréscimo.
Mateus 6:33.

Palavras de Yahoshua


O povo de Ysrayl antes e pós-diáspora dos anos 70 d.C. migrou ao continente africano. Após a
destruição de Jerusalém muitos deles foram vendidos como escravizados pelos romanos e posteriormente pelos muçulmanos. Uma boa percentagem se estabeleceu em diversas regiões, especialmente na Costa Ocidental Africana fundando diversos reinos, mas, apesar de esquecer-se de Yah e da sua ancestralidade, mantiveram diversos aspectos culturais tradicionais hebraicos. Depois de mais de 1500 anos de resistência se tornaram prisioneiros de guerra e vendidos como escravizados para as Américas. Atualmente não é possível falar em revisão da história da África e afro-diásporica sem estudar o povo hebreu na África e na América Africana. Estes fatos históricos não são ensinados nos livros de história, escolas, instituições religiosas e em universidades eurocêntricas, estas manipularam a nossa história com o eurocentrismo.
Nas Américas muito de nós somos descendentes da civilização Akan e concomitantemente dos Ashanti. A civilização ashanti e outras da África têm muito de hebraísmos em seus hábitos. Interessante é que os professores de história da África desconhecem esses aspectos importantes que para nós os hebreus-israelitas são mais uma prova viva da nossa ascendência de Ysrayl.
Se desejar saber mais sobre a civilização Akan e a guarda do Sabbhat:
http://cnncba.blogspot.com/2009/05/os-akan-onyamee-kwaame-o-deus-do-sabado.html

Entre alguns hebraísmos destacamos:
Circuncisão; Divisão da tribo em doze, aspersão do sangue nos umbrais das portas e dos altares. Casar-se com a mulher do irmão após sua morte; Separação e purificação após o nascimento de filhos; Ritos de purificação durante o nascimento; Ritos de purificações durante a menstruação; Celebrações de luas novas; Guarda do Shabbat; O uso do shofhar;
O nome ASHANTI é de origem hebraica, a terminologia "Ti" ao final da palavra significa povo ou raça de ASHAN, nome de uma cidade localizada na Judéia ao sul de Israel. Em Josué 15:42:
Libhnâh vâ`etherve`âshân (transliterado do hebraico) Libna, Eter, Ashan,
E Josué 19:7:
Aim, Rimom, Eter e Ashan; quatro cidades e as suas aldeias;
Também encontrada referência no livro de I Crônicas 4:32:
As suas aldeias foram: Etã, Aim, Rimom, Toquem e Ashan, cinco cidades,
E também I Crônicas 6:59:
Ashan com seus arredores e Bete-Semes com seus arredores.
O verbete ASHAN em hebraico significa cidade em chamas ou em brandos. ASHANTI, portanto, significa o povo de ASHAN ou o povo da cidade em chamas.
A irmã Miryam, uma hebréia-israelita, escreveu:
Em um livro muito informativo intitulado: HEBREWISMO NA AFRICA OCIDENTAL (HEBREWISM OF WEST AFRICA) por Joseph J.Williams ele dá as descrições detalhadas dos costumes hebraicos em muitas das tribos da África Ocidental, ou seja, as tribos principais que supriam escravos durante o tráfico negreiro de onde descende a maioria dos hebreus que vivem atualmente no hemisfério ocidental.
Comparar o Golden Stoll com a Arca da Aliança foi muito profícua porque elas têm características semelhantes e servem de pacto e aliança e possuem uma conexão com o Sagrado e união com o povo. Então, vamos começar com a mais antiga, que foi a arca dos hebreus e depois com a arca dos ashantis, e finalmente faremos as comparações.
A Arca da Aliança tem sido estudada desde o seu desparecimento após a conquista de Jerusalém em 586 A.C. pelo imperador Nabucodonosor II que saqueou e destruiu o Primeiro Templo, levando o povo de Israel, escravizado. No relato bíblico fala do retorno do povo, desde então, esta, já não é mais mencionada, dando a entender que já havia desaparecido ou teria sido destruída pelo imperador. Na queda de Jerusalém no ano 70 da era cristã, o general Tito, de Roma, saqueou a cidade e levou consigo os seus utensílios. Em uma ilustração no arco de Tito, no Vaticano, é visto soldados levando a Grande Menorah de Ouro, e o que parece ser a Arca da Aliança e mais duas trombetas de ouro. Há aqueles que crêem que um dia esta teria sido depositada nos porões do Vaticano. Não podemos esquecer que a Igreja Católica é Romana, é o mesmo povo pagão (Romanos) que destruiu o Templo de Jerusalém e adulterou a Mensagem de Yahoshua.
Há outras hipóteses como a Arca está na Igreja Etíope levada de Jerusalém para Etiópia por Menelik, filho de Salomão com a rainha de Sabá. Os cristãos da Etiópia [antiga Abissínia] têm afirmado que a verdadeira Arca da Aliança existe e está guardada em uma capela na cidade de Aksum. Dizem às lendas que a Arca sagrada chegou à Etiópia há três mil anos e tem sido protegida por uma sucessão de sacerdotes virgens que, uma vez escolhidos, nunca mais põem os pés fora da capela, até a morte. O único homem do mundo autorizado a olhar para a Arca da Aliança israelita é escolhido pelos altos sacerdotes de Aksum e pelo guardião vivo. O guardião não entra em contato com leigos. Somente os líderes religiosos podem vê-lo ou falar com ele. Uma vez o escolhido, o guardião abandona seu próprio nome e passa a se chamar "Guardião da Arca" ou Atang.
Os askenazis através do Instituto do Templo de Jerusalém, organização judaica ultra-ortodoxa dedicada a “reconstruir” o edifício original, diz que a Arca está embaixo do primeiro templo e será revelada a tempo – quando ele for reconstruído.
O cineasta George Lucas inspirou-se na busca pela Arca para o roteiro do seu filme Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida.
A Arca da Aliança na Bíblia é relatada quase 200 vezes e com nomes distintos. Aqui estão alguns nomes mencionados nas Escrituras para a Arca da Aliança:

Ex 25:22: Arca do Testemunho
Js 3:6 :
Arca da Aliança
Js 3:13 Arca de Yah
1Sm 5:7 Arca do Deus de Israel
2Cr 6:41 Arca da tua Fortaleza
2Cr 35:3 Arca Sagrada

A Arca da Aliança é o maior símbolo físico do poder de Yah entre os hebreus, em diversas culturas a arca simboliza o seio materno e também dela surge o renascimento de um povo.
Yah ordenou diretamente a Moisés que construísse a Arca da Aliança como está escrito em Êxodo 25:10:
- Também farão uma arca de madeira de acácia: dois côvados e meio será o seu comprimento, e um côvado e meio a sua largura, e um côvado e meio a sua altura.
A Arca foi de 1,5 côvados de largo e alto, e 2,5 côvados, conforme a proporção áurea. (aproximadamente 130 x 78 x 78 cm ou 4,27 x 2,56 x 2,56 m, utilizando o cúbito real egípcia de conversão). Ela foi coberta com todo o ouro puro. Sua superfície superior ou tampa, o propiciatório (hebraico: כפורת, Kaporet), também foi cercado com um aro de ouro.

A Bíblia descreve a Arca de madeira da acácia
conhecida pelos egípcios como a Árvore da Vida. É uma planta importante na medicina tradicional em muitos casos, contendo alcalóides psicoativos.
Alguns estudiosos do Tanach (velho testamento) acreditam que a Acácia foi à planta da sarça ardente descrito em Êxodo 3:2. A Acácia é um arvore sagrada nas religiões afro-brasileiras, no Brasil é conhecida como Jurema, em um dos mais importantes candomblés da Bahia, de nação jeje, o Bogun, na acácia amarela era cultuado o vodun Azonodô, Zomadonu ou Zòònodó. Sendo considerada também arvore sagrada em diversas civilizações do planeta.
A arca da Aliança acompanhou o povo hebreu em diversos momentos importantes de sua história, era a presença de protetora de Yah os preservando de todos os males, demonstrando a sua vontade. Na tomada da cidade de Jericó os sacerdotes carregaram a Arca.
A civilização ashanti também tem a sua arca da Aliança e com muitas características da Arca dos hebreus. A tradição conta que este banco, coberto com ouro puro, flutuou fora do céu e aterrou no colo do primeiro Asantehene (o rei Asante), Osei-Tutu. Ele unificou as pessoas no século 17. Seu sacerdote declarou que a alma da nação residia na arca. O Banco de Ouro do Asante contém a alma ou sunsum da nação. É considerado tão sagrado que ninguém está autorizado a sentar-se nele. Ele é mantido sob a mais rigorosa segurança, é levado para fora somente em ocasiões excepcionais, e nunca entra em contato com terra ou no chão. É considerado maior e mais poderoso do que o Asantehene, o líder espiritual dos ashanti. A Arca da Aliança também não podia ser colocada no chão e somente o sumo sacerdote poderia tocá-la
Akan: The Story of the Asante Stool

O povo Asante sempre defendeu o Golden Stool quando ele estava em risco. Em 1900, o governador britânico da Gold Coast, Sir Frederick Hodgson, exigiu a Golden Stool, da maneira mais ofensiva possível, uma reunião de chefes de Ashanti, disse:
Onde está o Banco Ouro? Por que não estou sentado no banco de Ouro neste momento? Eu sou o representante do poder primordial; por que me relegou esta cadeira?"
Transcrição da mensagem do Sir Frederick Hodgson aos chefes Ashanti Janeiro de 1900.
Sir Frederick então ordenou a soldados que partissem para caçar o Banco de Ouro.
"O homem branco pediu às crianças que o Banco de Ouro fosse mantido em Bare. O homem branco disse que bateria nas crianças caso elas não trouxesse seus pais a partir do arbusto. As crianças disseram que o homem branco não chamar seus pais. Se ele queria vencê-los, ele deve fazê-lo. As crianças sabiam que os homens brancos estavam vindo para o Banco de Ouro. As crianças não tiveram medo da ameaça. Os soldados brancos começaram a intimidar e bater nas crianças.”
Testemunho ocular de Kwadwo Afodo, citado por Thomas J. Lewin em seu livro Asante antes dos britânicos: The Years Prempean 1875-1900.
Excerpt from "Golden Stool"
Inimigos do povo hebreu em diversos momentos tentaram possuir o a Arca da Aliança para mostrar o seu domínio e abaixar a moral do povo. Há o relato quando os filisteus se apropriaram em I Samuel 4:1-22.
21 Mas deu ao menino o nome de Icabô, explicando: A glória saiu de Israel. Disse isso, falando da tomada da arca de Deus e da morte do seu sogro e do seu marido. 22 Ela disse: A glória saiu de Israel, pois a arca de Deus foi tomada pelos nossos inimigos.
Os ashantes se consideram como o povo escolhido por Deus para trazerem à luz as outras nações, Os hebreus foram escolhidos por Yah.
O banco de Ouro de dos ashantes veio dos céus, das nuvens é o objeto mais sagrado. Os hebreus consideravam a arca como a própria presença de Yah.
O banco de ouro dos ashantes significa a união e a própria alma dos ashantes. Na arca da Aliança continha os simbolismos mais sagrados dos hebreus, as tábuas dos Dez Mandamentos, a Vara de Arão que floresceu (que não só floresceu mais que também brotou amêndoas) e o pote de maná escondido foram repousados no seu interior, a Arca é tratada como o objeto mais sagrado, como a própria representação de Deus na Terra. A Bíblia relata complexos rituais para se estar em sua presença dentro do Tabernáculo. A Arca dos ashantes é sagrada que somente em ocasiões especiais é vista pelo povo, há casos de se passarem cinco anos ou mais.
A Arca representava o próprio Deus entre os homens. A crença de Sua presença ativa fez com que os hebreus, por várias vezes, carregassem o objeto à frente de seus exércitos nas batalhas realizadas durante a conquista de Canaã. O banco de ouro ashanti é a personificação do próprio Estado Ashanti, e o símbolo dos vivos, mortos, e ainda os que irão nascer.
Quando o imperialismo inglês profanou o a Arca da Aliança ashanti houve a última guerra liderada por uma mulher africana o qual convocou os guerreiros com estas palavras:
Em um discurso, Yaa Asantewaa reagrupou resistência ao colonialismo:
Agora eu vi que alguns de vocês temem ir à frente para lutar pelo nosso rei. Se fosse no dia bravos, os dias de Osei Tutu, Okomfo Anokye e Opoku Ware, chefes que não iriam se sentar para ver o seu rei tirado sem disparar um tiro. Nenhum homem branco poderia ter ousado falar com um chefe da Ashanti na forma como o governador falou a chefes você esta manhã. É verdade que a bravura dos Ashanti é nenhuma? Não pode ser! Devo dizer isso, se você, os homens de Ashanti, não irão à frente, então vamos. Nós, as mulheres, iremos. Nós lutaremos contra os homens brancos. Lutaremos até a última de nós cairmos nos campos de batalha.
Leia mais sobre essa poderosa rainha preta:
http://cnncba.blogspot.com/2007/11/yaa-asantewaa-rainha-guerreira-ashanti.html

Concluindo, ambas as arcas, arca da aliança e a arca dos Ashanti, foram feitas de madeira e revestida em ouro; em frente à arca da aliança foram feitos sacrifícios, na arca dos Ashanti sacrifícios eram feitos encima desta, ambas possuem representações de dois seres (anjos ou pessoas).
Os Ashanti têm na sua cultura diversos hebraísmos que em um artigo seria impossível descrever, mas sua história ancestral e analogias nos trazem a reflexão de que este povo é originário do povo de Ysrayl e os seus descedentes na América Africana também.
O shofhar é o instrumento sagrado do povo hebreu e também dos ashanti usado em grandes comemorações.
Kwame Nkrumah Memorial Park fountains, Accra, Ghana.

Asante Ivory Trumpets - Ancient Akan Music - Pt 1


Shalom!

Um comentário:

farao disse...

Perai que dizer que eu posso ter Sangue Hebraico? ,olha em algo estranho realmente a varias analogias entre o povo Ashante e a cultura hebraia ,mas por que então os ashante deixaram de adora ao deus verdadeira para adorar um paracido ,

PRETAS POESIAS

PRETAS POESIAS
Poemas de amor ao povo preto: https://www.facebook.com/PretasPoesias