quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

KWANZAA – OS SETE HOMENAGEADOS DA COMUNIDADE PRETA - A MELHOR KWANZAA DOS ÚLTIMOS TRÊS ANOS


Por Aidan Foluke, membro da COPATZION, Tesoureira do CNNC/BA e Acadêmica de Enfermagem.
E-mail: vanessasoares13@hotmail.com
Skype: aidanfoluke

O Local da Kwanzaa foi modificado. Nos últimos dois anos a nossa festa fora realizada no CDCN (Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra) e esse ano a petição não foi deferida, dessa forma contamos com a solidariedade do nosso irmão Prof. Jorge Conceição, responsável pelo Museu do Objeto Imaginário, o qual todos nós agradecemos imensamente pelo espaço concedido e pela valiosa contribuição durante a Kwanzaa.
Os troféus entregados foram feitos pelo magnífico artista plástico preto Juninho, conhecido como Élson de Souza ou Gigante Negro, que participa constantemente dos eventos da nossa comunidade.
Élson de Souza e as Homenageadas

Dos escolhidos para receber o Troféu Kwanzaa somente não esteve presente o poeta e militante preto Hamilton Walê, pois viajou ao sul do Brasil com a família e infelizmente não teve condições de mudar a data do vôo, agendado antes do convite para a homenagem. O troféu de Hamilton está guardado para ser entregue em mãos na primeira oportunidade.
Homenageados - Da esquerda para a direita: Prof. Jorge Conceição, Makota Valdina Pinto, Profa. Dra. Ana Célia, Dra. Luiza Bairros, Dr. Silvio Humberto e o seu filho, Prof. Ademario Brito.

Dra. Ana Célia - UMOJA – Significa unidade, e representa manutenção da unidade na família, na comunidade, na nação e na raça.
A Profa. Dra. Ana Célia foi uma das primeiras a pesquisar acerca do racismo nos livros didáticos e publicou livros sobre esta temática, além da vida acadêmica como profª do mestrado da UNEB (Universidade Estadual da Bahia), continua a luta de militância pelo seu povo há décadas iniciada antes da sua valiosa contribuição a vida acadêmica. É uma doce pessoa que sempre nos traz alegrias e ensina que devemos continuar firmes na unidade da família e da comunidade. O troféu foi entregue por Walter Passos (Kefing Foluke) que emocionado reafirmou a admiração por Ana Célia por tantos anos de luta e amor pelo povo preto.


Dra. Luiza Bairros - KUJICHAGULIA – Significa Autodeterminação, representa os valores de determinação que o povo preto deve apresentar para resolver as questões que nos afligem.

Há mais de 30 anos, Drª. Luiza Bairros tem dedicado sua vida a luta do nosso povo preto com garra, amor e determinação. Cabe reafirmar que nossa organização não a homenageou por ser Secretária do Governo Estadual, mas sim, por seu histórico de militância, ao continuar sempre a Luiza da militância do MNU, das passeatas, das lutas por nosso povo. O troféu foi entregue por Manana que ficou muito emocionada, afirmando faltar palavras ao prazer de entregá-lo a grande amiga e militante. Foi um momento de grande emoção.
Poeta Hamilton Walê - UJIMA – Significa Trabalho Coletivo e Responsabilidade, Construção conjunta e manutenção da nossa comunidade unida para fazer nossos problemas da irmã e dos irmãos nossos problemas e para resolvê-los junto.
O Poeta Hamilton Walê atua principalmente na defesa do povo preto contra a força repressora do Estado. Militante importantíssimo oportunizou que representantes do CNNC e da COPATZION divulgassem o verdadeiro YAH e Yahoshua dentro do seu trabalho com penitenciários em Salvador. Foi um dos poucos militantes pretos que apóiam a nossas atividades desde inicio da nossa caminhada.

Poema Strong Hands of Mother Africa - J. Joy “Sistah Joy” Matthews Alford

video

Dr. Silvio Humberto - UJAMAA – Significa Economia cooperativa, para construir e manter nossas próprias lojas, supermercados e outros negócios e para comercializar junto com nossos irmãos e irmãs pretas.
Dr. Silvio Humberto, que esteve presente com seus lindos filhos, é um marketing na economia cooperativa do povo preto, com Instituto Cultural Steve Biko, o qual através da educação resgata os valores ancestrais auxiliando nossa juventude a entrada na Universidade e a um avanço técnico-intelectual.

Prof. Ademario Brito - NIA – Significa Finalidade, almeja a construção do coletivo e tornar-se de nossa comunidade a fim restaurar nossos povos a sua grandeza outrora tradicional.
O Griot Ademario Ashanti, o “Tio Ademario”, carinhosamente chamado pelos hebreus e hebréias mais novos, é um afrocentrista e pan-africanista, defensor da história das civilizações pretas que povoaram o planeta e nos repassa pacientemente todo esse conhecimento. Nos últimos anos tem dedicado a sua vida em divulgar a verdade do povo hebreu, o remanescente da Nação de Yah nas Américas. Entre outros estudos é um especialista na cultura Rastafári e suas influências de hebraísmos e músicas relacionadas com os escritos sagrados.

Prof. Jorge Conceição - KUUMBA – Significa Criatividade, tem por objetivo fazer sempre quanto nós pensemos ser necessário, a nossa maneira, a fim deixar nossa comunidade mais bela e benéfica do que quando nós a herdamos, sempre buscando a melhoria do povo preto.
O homenageado foi o prof. Jorge Conceição que se dedica ao povo preto através da defesa da alimentação saudável e equilibrada. Enfrenta às forças da morte que através da mudança dos hábitos alimentares tem continuado a escravizar e matar o nosso povo. O Prof. Jorge Conceição é também um geógrafo que há anos ensina História e Geografia da África, trabalhando com cartografia e o primeiro no Brasil a trabalhar seriamente a geografia africana. O Prof. Jorge é um símbolo de amorosidade, compreensão e luta. Publicou diversos livros infantis, como o Boi Multicor e recentemente lançando um livro sobre Capoeira Angola. Aidan ficou muito feliz em poder entregar ao “Tio Jorge” o Troféu Kuumba por considerá-lo um dos maiores intelectuais pretos do nosso país.
Da Esquerda para Direita: Kefing Foluke, Veronica, Prof Jorge Conceição e Fabíola.

Makota Valdina Pinto - IMANI – Significa Fé, para acreditar com nossos corações em nosso povo preto, nossos pais, nossos professores, nossos líderes e a vitória de nosso esforço.
Cresci ouvindo o nome da Makota Valdina como grande amiga do meu pai, e ele disse que ao conhecê-la a chamasse de tia em sinal de respeito e consideração. Assim o fiz juntamente com o meu irmão.
A Makota Valdina é um símbolo de resistência, amor, solidariedade, respeito pelo seu povo, tem sido convidada para proferir palestras no Brasil e no exterior pelo seu conhecimento vivencial de praticamente do candomblé e estudos sobre a cultura bantu. Hoje, a Makota Valdina é referência independente de nação religiosa porque é uma representatividade de todos e todas na defesa do povo preto em todas as suas expressões.
A Kwanzaa teve início com os irmãos Bete e Akil dando boas-vindas a todas e todos os presentes, foram momentos de grande descontração, reencontros e profundos estudos realizados pelo Griot Ademario Ashanti, um dos primeiros pretos na Bahia juntamente com Kefing Foluke ser reconhecerem pertencentes ao povo hebreu. O homenageado palestrou sobre o Rastafarianismo e a Bíblia nos trazendo belíssimas informações de tantos anos de estudos e sabedoria. Logo após Kefing Foluke apresentou slides e falou dos Hebreu-Israelitas com provas bíblicas, arqueológicas e históricas de que os verdadeiros hebreus são pessoas pretas e os remanescentes vieram prisioneiras de guerra na escravidão para as Américas.
Akil com irmã Bete e Fabíola

Em seguida Prof. Jorge Conceição falou de suas e experiências nas décadas de lutas e estudos realizados para a importância da alimentação vegan como o caminho da desconstrução imposta pelos colonizadores aos africanos escravizados.
Os irmãos Aidan e Simba Foluke, continuaram a apresentação falando da importância da Kwanzaa, da família preta e ancestralidade em sentido lato. Ocorrendo a entrega dos troféus às personalidades pretas e a celebração da Kwanzaa.

Kwanzaa - Festa da Família Africana

A presença dos jovens foi marcante nesta IIIª Kwanzaa que trouxeram a alegria e participaram ativamente das palestras e tiveram oportunidade de conhecer um pouco da filosofia dos hebreu-israelitas:

Simba Foluke com as acadêmicas de Geografia: Paula (esquerda) e Tícia (direita).

O momento de confraternização foi maravilhoso onde todas e todos puderam saborear a alimentação vegan e os deliciosos sucos de melancia e jaca com água de coco, preparados carinhosamente por Verônica e a haitiana Fabíola.Muitos irmãos sempre participam de todos os encontros de nossa organização, entre eles o sociólogo e militante da UNEGRO Valdir Estrela, ao qual agradecemos a constante solidariedade e presença.Como a reflexão da kwanzaa 2009 foi à família preta e ancestralidade não poderia falta à presença de famílias especiais, como as de Beto e Alexandre. Na foto uma parte da Grande Família Preta:Esta foi a nossa IIIª Kwanzaa e foi considerada por nós como a melhor delas. Agradecemos ao esforço de todas e todos que prepararam e participaram desse grande evento da família preta.
Maurinho o Hebreu, Irmã Bete e Simba Foluke.

5 comentários:

Taysa disse...

Parabéns pela belissima celebração! Que possam através dos esforços empreendidos ampliar mais e mais a realização dela dentro da comunidade preta como uma pratica de reencontro com sua ancestralidade.

Espero em outros momentos poder compartilhar com vocês de tão especial trabalho.

Abraços!

Akil Nassor disse...

É nós na fita ai gente rsrsrsrsrs.
Éo povo preto de Yahoshua muito feliz na III KWANZAA.
Estou feliz em ter participado das 3 que realizamos até agora.

Afroabraços a Todos!!

Josiane Clímaco disse...

Extremamente lindo e emocionante o evento ..vcs estão de parabéns ...beijoconas ...força sucesso e determinação sempreeeeeeee Profª Josiane Clímaco.

Amenhotep disse...

Axé,irmãos!

Parabéns pelo evento! Isto sim qué é compromisso com o povo preto. Que Olorum dê anos de vida e saúde a todos os irmãos para que a
verdade sobre o nosso povo seja restaurada.


Shalom!

Valdir Campos Estrela disse...

Parabéns a todos os membros do CNNC por mais uma comemoração da Kwanzaa, no dia 25 de dezembro, na sede do Museu do Objeto Imaginário, no Pelô.Foi um prazer para mim participar de uma festa que junta confraternização com reflexão sobre questões étnico-raciais ainda não suficientemente discutidas no seio do próprio movimento negro. A origem e principalmente o presente e o futuro da pop. negra no planeta devem sempre ser objetos de reflexão por parte dos militantes da causa negra. Parabéns mais uma vez ao CNNC inclusive pela escolha dos homenageados que todos e todas foram e são merecedores. Axé.

PRETAS POESIAS

PRETAS POESIAS
Poemas de amor ao povo preto: https://www.facebook.com/PretasPoesias