segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

OS AFRO-BOLIVIANOS - AS MINAS DE POTOSI - JULIO PINEDO O REI AFRO-BOLIVIANO


Por Walter Passos, historiador, panafricanista,
afrocentrista, teólogo e membro da COPATZION (Comunidade Pan-Africanista de Tzion).
Pseudônimo: Kefing Foluke.
E-mail: walterpassos21@yahoo.com.br
Msn: kefingfoluke1@hotmail.com
Skype: lindoebano


A Bolívia, país central na América do Sul, com uma extensão territorial 1.098.580 km², com duas capitais: La Paz (administrativa) e Sucre (judicial). A população estimada é de nove milhões de habitantes, 30% de Quechua, 30% de mestiços (mistura de brancos e nativos), 25% de Aymara, 15% de brancos e 0,5% da de pretos.

O povo preto é marcante na Bolívia por sua resistência, apesar do pequeno contingente populacional devido ao massacrante histórico de exploração dos espanhóis. Conhecer a Geografia Africana nas Américas é de vital importância ao entendimento do tráfico negreiro patrocinado pelas civilizações cristãs, da possibilidade de estreitar uma rede afro-latina de informações panafricanas e combater o isolamento das informações veiculadas pela mídia suprindo a falta de projetos educacionais em programar a matéria Geografia Africanas nas Américas no ensino fundamental ou médio.

Presume-se que a população preta da Bolívia seja de 50 mil pessoas, mas, não se sabe ao certo.

BLACK BEAUTY IN BOLIVIA



A população africana vive no Yungas (na língua aimará significa "Terra Quente”) em diversas cidades pequenas e isoladas e aldeias das montanhas. Yungas é uma zona transitória entre o planalto andino e a floresta amazônica.


As prováveis origens da população afro boliviana são do Senegal, Congo e Angola. O apelido de Angola é muito comum. Apesar de viverem perto dos aymara, nunca perderam a sua Identidade Africana.

Após o seqüestro do continente africano foram forçados a trabalhar nas minas de prata de Potosi - a 4000m acima do nível do mar na Bolívia, Situada na cordilheira ocidental dos Andes, é a cidade mais alta do mundo, tendo atualmente 110 mil habitantes. Fundada em 1545, logo após a descoberta pelos espanhóis das suas minas de prata, Potosi tornou-se rapidamente no maior produtor mundial de prata, bem como numa das povoações mais prósperas e com maior número de habitantes do mundo na época.

Em 1987, foi declarada pela UNESCO "Patrimônio da Humanidade", um local que não deve ser esquecido por ser um dos maiores cemitérios de nativos americanos e africanos mortos pelos cristãos europeus.
Inicialmente, o trabalho nas minas de Potosi foi realizado por nativos (indígenas) escravizados extraindo e refinando a prata, mas a exposição a doenças européias, mercúrio e a brutalidade levou a população a diminuir 90%, um genocídio das comunidades nativas.

Para compensar a diminuição da força de trabalho indígena, os colonos fizeram um pedido em 1608 para a Coroa em Madri para começar o seqüestro de 1500 a 2000 escravizados africanos por ano. Um total estimado de meio milhão de africanos trazidos da África Central para trabalhar nas minas de alta altitude de Potosi durante toda a era colonial na Bolívia.

A população indígena era ainda o essencial da força de trabalho de mineração, mas os africanos estavam envolvidos em refino e cunhagem. Estes detinham o conhecimento tecnológico da mineração e fundições de metais, é de suma importância lembrar que eles trouxeram uma cultura muito avançada relacionados à fundição de metais; porque foram os primeiros mineradores do planeta.

De 1556 a 1783 - a era de ouro de Potosi - um total de 45.000 toneladas de prata pura foi extraído de Cerro Rico, 7.000 toneladas do que foi para a monarquia espanhola serviu para pagar as suas dívidas, a outra parte foi destinada a enriquecer o capitalismo europeu à custa de indígenas e africanos.

Entre as explorações mais vexatórias, submeteram os africanos escravizados a empurrar os moinhos da Casa de La Moneda como "mulas humanas". A vida útil de uma “mula” foi de apenas dois meses, sendo inutilizada e imediatamente substituída. Nas Minas no Brasil (Minas Gerais e Goiás) os africanos eram obrigados a beber um laxante feito de pimenta malagueta, vinagre e sal após o trabalho na mineração.

Nas minas de Potosi os africanos inalavam a fumaça tóxica da fundição e os vapores de mercúrio, trabalhavam nas minas sem luminosidade por cerca de quatro meses, ao saírem tinham os olhos vendados para proteger da luz solar. O trabalho era de uma jornada acima de 12 horas diárias e foram usadas crianças, também sujeitas ao amianto, gases tóxicos, explosões. Os espanhóis davam aos africanos folhas de coca para “aliviar” o sofrimento e a fome. É considerada pelos historiadores a maior exploração de africanos no período colonial realizado pelos europeus, um desrespeito a humanidade na exploração do trabalho escravizado.

Os europeus realizaram um genocídio sem precedentes na África e na América destruindo civilizações nativas e se apropriando da força de trabalho e das riquezas, com o apoio incondicional do cristianismo, o qual usufruiu dos trabalhos indígenas e africanos escravizados.

De Potosi os africanos que sobreviveram à exploração, um verdadeiro genocídio nas minas foram vendidos para as haciendas – organização do latifúndio na América espanhola – localizadas na região subtropical dos Yungas.

Nota-se que a existência dos afrobolivianos se deu a resistência à escravidão e a exploração, porque de meio milhão de africanos, sobrevive atualmente aproximadamente 10% que foram levados para Potosi. Não podemos esquecer que a possibilidade da sobrevivência se deu as fugas individuais e coletivas e a formação de palenques nas densas florestas bolivianas.

ENTREVISTA DE NELSON VILCA A UNA AFROBOLIVIANA

É deveras interessante é de que na Bolívia ainda existe um forte sentimento de pertencimento às raízes africanas, na manutenção da memória ancestral; a tradição oral relata que entre os escravizados do Congo foram seqüestrados descendentes da nobreza congolesa antes da invasão francesa e belga. Em 2007, o neto de Bonifácio Pinedo, o agricultor Julio Pinedo foi coroado rei, sendo o único conhecido como descendente direto de uma realeza congolesa. Possivelmente é o único rei na América Africana, foi reconhecido pela população preta e pelo prefeito (governador) de La Paz, José Luis Paredes, o qual o entregou a coroa e o bastão como símbolo da realeza africana.

- "Não estamos na Bolívia pela escolha. Nós fomos trazidos aqui pela força e obrigados esquecer os nossos costumes".

Afirmou categoricamente Martina Padredos, uma afro-boliviana de Yungas, que veio à cidade para a coroação do rei, e continuou:

- "O mínimo que o Estado pode fazer é reconhecer que somos membros deste país também."

Na verdade, é uma questão de afirmação étnica importante de ser africano.

REY AFROBOLIVIANO (1/2)

A mais conhecida afirmação cultural afroboliviana é a Saya, dança de beleza incomparável:

Os intereses económicos que movían la práctica del comercio de esclavos en el siglo XVIII hicieron que la población africana emigre a Latinoamérica. Y como la música y la danza es parte de la vida del ser humano, esta también viajó a la tierra de Los Andes, donde se adaptó a prácticas ancestrales ya existentes.

Su origen africano está implícito en la deformación del vocablo Nsaya de Origen Kikongo (Africa); así la saya etimológicamente significa: trabajo en común bajo el mando de un (a) cantante principal. Está compuesta de música, danza, poesía y ritmo donde se utiliza bastante la metáfora y la sátira, tocando temas de la esclavitud y de la situación actual.

La Saya afro-boliviana presenta elementos del ancestro africano; sin embargo posee algunas peculiaridades sincréticas aymaras como la vestimenta, especialmente en las mujeres.
"La Saya" boliviana fue declarada patrimonio cultural e intangible del departamento de La Paz

SAYA AFROBOLIVIANA, ORGULLO BOLIVIANO!!!!


Mas a sua mistura com o indígena aimara é notável: os afro-bolivianos usam o mesmo pollera, saias em camadas, e chapéus-coco que distinguem o grupo indígena com quem partilham a região subtropical, em locais como Coroico, Murarata, Chicaloma, Calacala, Toscaña e outros. Em 2004, foi constatado de que os afro-bolivianos (assim como os povos indígenas) enfrentam a discriminação, as desvantagens na saúde, na expectativa de vida, educação, renda, alfabetização e trabalham em condições brutais. Ainda muito a fazer em um dos países mais pobres da América Latina, herdeiro da exploração econômica européia e das elites latifundiárias, o respeito à diversidade cultural da maioria indígena e da minoria africana.
Conhecer a população afro-boliviana é de mister importância para todos nós africanos em terras americanas, saber da presença e de suas lutas de afirmação servem de exemplo para revivermos a cada momento a presença da ancestralidade rica e inextinguível em toda a América.

Shalom!

afro saya


4 comentários:

SOS DIREITOS HUMANOS disse...

DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA...




"As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
têm direito inalienável à Verdade, Memória,
História e Justiça!" Otoniel Ajala Dourado




O MASSACRE APAGADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA


No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi o MASSACRE praticado por forças do Exército e da Polícia Militar do Ceará em 10.05.1937, contra a comunidade de camponeses católicos do Sítio da Santa Cruz do Deserto ou Sítio Caldeirão, que tinha como líder religioso o beato "JOSÉ LOURENÇO", paraibano de Pilões de Dentro, seguidor do padre Cícero Romão Batista, encarados como “socialistas periculosos”.



O CRIME DE LESA HUMANIDADE


O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram na “MATA CAVALOS”, SERRA DO CRUZEIRO, mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como juízes e algozes. Meses após, JOSÉ GERALDO DA CRUZ, ex-prefeito de Juazeiro do Norte, encontrou num local da Chapada do Araripe, 16 crânios de crianças.


A AÇÃO CIVIL PÚBLICA AJUIZADA PELA SOS DIREITOS HUMANOS


Como o crime praticado pelo Exército e pela Polícia Militar do Ceará É de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO é IMPRESCRITÍVEL pela legislação brasileira e pelos Acordos e Convenções internacionais, por isto a SOS - DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza - CE, ajuizou em 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo que: a) seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) sejam os restos mortais exumados e identificados através de DNA e enterrados com dignidade, c) os documentos do massacre sejam liberados para o público e o crime seja incluído nos livros de história, d) os descendentes das vítimas e sobreviventes sejam indenizados no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos



A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO


A Ação Civil Pública foi distribuída para o Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, redistribuída para a 16ª Vara Federal em Juazeiro do Norte/CE, e lá foi extinta sem julgamento do mérito em 16.09.2009.



AS RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5


A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife/PE, argumentando que: a) não há prescrição porque o massacre do Sítio Caldeirão é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos mortais das vítimas do Sítio Caldeirão não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do CZAR ROMANOV, que foi morta no ano de 1918 e a ossada encontrada nos anos de 1991 e 2007;



A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA


A SOS DIREITOS HUMANOS, igualmente aos familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo desaparecimento forçado de 1000 pessoas do Sítio Caldeirão.


QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA


A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem encontrar a cova coletiva, e por que não a procuram? Serão os fósseis de peixes procurados no "Geopark Araripe" mais importantes que os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO?



A COMISSÃO DA VERDADE


A SOS DIREITOS HUMANOS busca apoio técnico para encontrar a COVA COLETIVA, e pede que o internauta divulgue esta notícia em seu blog, e a envie para seus representantes no legislativo, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal Brasileiro que informe o local da COVA COLETIVA das vítimas do Sítio Caldeirão.



Paz e Solidariedade,



Dr. OTONIEL AJALA DOURADO
OAB/CE 9288 – 55 85 8613.1197
Presidente da SOS - DIREITOS HUMANOS
Membro da CDAA da OAB/CE
www.sosdireitoshumanos.org.br

Anderson "Thug" disse...

SHALOM IRMAO...MAIS UMA VEZ DESVENDANDO OS NAÇÕES AFRICANAS (HEBRAICA) EM SUA TERRA DE SERVIDÃO PARABENS PELO ARTIGO..Q YAH ABENÇOE..PARA QUE MAIS PESSOAS VEJAM O OS GENTIOS FIZERAM AO NOSSO POVO.

APOCALIPSE disse...

Gosto e tenho crescido muito com seu blog,tem sido de um valor inestimável para mim,e não pretendo deixar de acompanha-lo.No entanto quero deixar minha insatisfação e incomodo em relação a enfase que você dá aos erros dos meus irmãos cristãos europeus cometidos no passado.
Essa enfase é prejudicial,pois gera resistencia desnecessária ao cristianismo,considerando que és cristão.

Certa vez tratando com o Senhor acerca dos negros,recebi a seguinte palavra,que devemos aprender a perdoar o que aconteceu no passado,pois só assim poderemos seguir em frente e viver plenamente o que o Senhor Deus tem para nós.
A palavra de Deus para os negros não é mais sofrimento e vergonha e sim restauração.e com Deus ao nosso favor não a força na terra que possa se nos opor.Portanto perdoemos,limpemos nossos corações e deixemos que os Brancos carreguem a sua vergonha por todos os atos barbaros e gananciosos perpetrados por eles no passado e
em certo grau no presente.
Estou limpando meu coração das magoas e dores causadas pela GANANCIA EUROPEIA.Quero trabalhar pelo desenvolvimento dos negros,principalmente com bases cristãs.

Anônimo disse...

Amigos,
Não se esqueçam que o tráfico negreiro usou muito capital e capitães judeus. Jogar a culpa só em cristãos é desconhecer a historia. Todos são culpados pelo que fizeram aos negros. Também tenho culpa, pois sou critão novo.
Um abraçõ
Eduardo PEREIRA Marini

PRETAS POESIAS

PRETAS POESIAS
Poemas de amor ao povo preto: https://www.facebook.com/PretasPoesias