terça-feira, 19 de agosto de 2008

CANDACE E MATRIARCADO - O PARLAMENTARISMO NO IMPÉRIO DE KUSH




Walter Passos - Historiador
Skype: lindoebano
 Facebook: Walter Passos

Formadoras das civilizações, as mulheres africanas representaram as primeiras deusas, mães, educadoras, sacerdotisas, médicas, cientistas, comerciantes, diplomatas e governantes do mundo. Nesse contexto, o estudo das Candaces é de suma importância para a compreensão da História Africana.
Os estudos antropológicos nas sociedades africanas e afro-diásporicas retratam a concepção de poder androcêntrico, aonde o cristianismo primitivo africano foi modificado para concepção patriarcal grega-platônica da inferiorizarão das mulheres com bases na hermenêutica antropológica de sociedades cristãs europeias. Da mesma forma, o estudo das sociedades islamizadas no continente africano corroboraram concepções patriarcais outrora desconhecidas e praticadas nas mais antigas civilizações africanas.
Com a invasão, colonização e imperialismo, novos modelos produtivos baseados na exploração de classes sociais incorreram na feminilização da pobreza e na masculinização do poder, inclusive das religiões tanto na África como na diáspora. Os antropólogos brancos tentaram explicar o matriarcado e o modo de produção matrilinear com as suas concepções racistas e machistas que nos obriga assim a recorrer aos estudos da afrocentricidade para um real entendimento das sociedades africanas, como resgate da verdade histórica, que nos ajudará contra a opressão de classe, o racismo e o patriarcalismo.
O entendimento do poder matriarcal africano configura o principal alicerce para a compreensão da civilização kushita.
Kush, uma das civilizações mais antigas do mundo, foi uma sociedade de base matriarcal, onde havia o equilíbrio entre os gêneros e a difusão da justiça e igualdade, diferentemente de civilizações brancas recentes na história mundial, a exemplo de Grécia e Roma que desenvolveram o modo de produção escravagista antigo, baseados em sociedades patriarcais e patrilineares. Dentro do matriarcado não houve escravização e nem exploração de gênero, fato este que ocorreu com o advento do patriarcado e conseqüentes mudanças no viver africano primevo.
A diferença essencial do governo das kandaces comparado a outros do mundo antigo é que não era um poder vitalício e nem hereditário. Uma kandace governava por dez anos, outra por vinte anos, outra por 30 anos, em seguida o ciclo recomeçava em uma alternância de poder, evitando o despotismo, possibilitando uma paz política que proporcionou o grande desenvolvimento da civilização kushista. Havia um parlamento que detinha o verdadeiro poder composto por sacerdotisas e sacerdotes, anciãos e anciãs (com função senatorial) representantes da população, sendo levado esse modelo para Kemet ( Egito).
Na verdade, a origem da democracia é africana, sendo copiada pelos gregos em diversos estudos realizados por eles na Núbia e em Kemet (Egito).
O conhecimento desse modelo de governo, somente ocorre com as últimas pesquisas pautadas na afrocentricidade. Acusamos tantos legados roubados pelos europeus, outrossim, formas de governo foram deformadas e posteriormente copiadas como o modelo parlamentar hoje instituído em países europeus e na monarquia japonesa. A civilização kushita já havia desenvolvido o parlamentarismo milhares de anos antes dos europeus.
O matriarcado não impedia em alguns momentos que homens participassem do governo como reis ou esposos das Kandaces, sendo escolhido pelo parlamento, podendo se tornar governante ou consorte da rainha, conforme as leis da matrilinearidade.
Uma das mais poderosas Kandaces foi Amanirenas, que serviu como chefe de Estado, Comandante-chefe do exército, e Sumo Sacerdotisa de Isis.
Amanirenas comandou a aliança do exército Kushita-Kemita à ocupação romana de Kemet, e a invasão do resto da África no tempo do Imperador Augusto César.
Amanirenas apesar do poder exercido era considerada humilde e amável, detentora de um porte atlético. Com cerca de 50 anos de idade empreendeu as mais violentas batalhas contra os romanos.
O conflito entre os romanos e os Kushitas originou-se da invasão feita pelos romanos a Kemet (Egito), levando o exército kushita a invadi-lo sob o comando de Amanirenas e do seu filho Akinidad, atacando a fortaleza de Assuam, resultando na captura de tropas romanas que haviam incendiando cidades e templos, entre elas o templo de Karnak, o exército kushita derrubou a estátua do imperador Augusto levando a cabeça para a cidade de Meroé como prêmio de guerra.
Na realidade o domínio dessa poderosa rainha ainda é um enigma para os historiadores porque nesse período foram encontradas tropas fieis a Amanirenas espalhadas em diversas regiões da África, indicando que o Kushitas possuíam exércitos em todas a África. Heliodurus escreveu que os exércitos kushitas estavam espalhados em todas as regiões da África e apesar de Roma ter enviado uma força de 10.000 infantes, 800 cavaleiros e milhares de auxiliares, num total de cerca de 30.000 militares, no final seriam derrotados pelo poderoso exército de Amanirenas.
No final, o imperador romano Cesar Augusto e o general Gaius Petronius forma obrigados a negociar a paz, recebendo mensageiros kushitas na ilha de Samos, no mar Egeu, com flechas de ouro enviadas pela Kandace Amanirenas com a seguinte mensagem: “Trata-se de um presente da kandace. Se você quer guerra, as mantenha porque vai precisar delas. Se você quer paz, aceita-as como um símbolo de minha cordialidade e amizade". Augusto César aceitou o presente e terminou a guerra.
Entre as concessões feitas por Augusto foi a permissão que os Kushitas seguidores de Isis prosseguissem a sua adoração em Elefantina, cidade egípcia controlada pelos romanos, e o pagamento indenizatório para construção de templos em Kush, uma vez que alguns tinham sido destruídos pelos romanos.

ACESSE PRETAS POESIAS:


                                     NINA E A VIAGEM PELO REINO DA NÚBIA.
É o primeiro CD Infantil com história e jogos interativos sobre História da África direcionado especificamente para as crianças e adolescentes.

* Ótimo Material para trabalhar as leis: 10.639 e 11.645 *.
Relata a viagem de Amanirenas, na ocasião princesa da Núbia, e seus desafios para conhecer todo o reino de Kush, sua cultura e suas belezas naturais, de forma super divertida.
Kush foi o mais importante Império Africano que se desenvolveu ao redor do Rio Nilo, superando os Egípcios e dos quais estes descendem.
A viagem ocorre de forma interativa, em que a criança obterá conhecimentos da Geografia Africana, da História do Reino de Kush, da Afrocentricidade e do Pan africanismo, questões de grande relevância na sua formação contemporânea quanto descendente de africanos.
Além disso, trabalha a autoestima, elevando-a, sendo único e inovador no mercado brasileiro, em que personagens pretos serão protagonistas de uma história interativa que ocorre dentro do continente africano.
Nina e a Viagem pelo Reino da Núbia, é um presente ideal e um material indispensável para nossos filhos e filhas.

* SUPER Promoção de Lançamento para os primeiros 50 Pedidos*.
Preço - R$ 7,00 + frete.
ENVIAMOS PARA TODO O BRASIL!
Contatos e Pedidos:
historiafrocentrada@gmail.com

6 comentários:

farao disse...

Olha sem duvida esta história daria um bom filme , más pelo visto ,nem mesmo os negros que trabalham na área cinematografica ,tem conhecimento de tal fato , o que e uma pena ,mais espero que grandes historias como esta ainda sejam também cultuadas na 7 arte

Marinalva disse...

Muito interessante as colocações pois o importante é erradicar o evangelho do terror e seguirmos o evangelho do amor tão bem praticado pelo Cristo.Abaixo todo tipo de intolerância.
Parabéns!
Marinalva

Eric disse...

Ola Bom dia minha doce almas amigas, O amor resume toda a doutrina de nosso mestre Pai Oxala; e o amor é o requinte do sentimento mais puro em todo o ser. Não no sentido vulgar ou mundano do termo, mais esse sol interior em seu fogo ardente todoas as asprirações todas as revelações sobre-humanas. Alei do amor substitui a personalidade pela fusão dos seres e extingue as miserias sociais..Quando Jesus pronunciou essa palavra Divina - Amor _ fez tremecerem os povos. purisso vos digo que sempre empregue o amor em tudo que venha realizar, pois é o setimento mais puro a ser alcaçado por todos os seres da terra, para que no futuro a alma agradecida suba para planos elevados da criação.....abraços fraternos a todos que leva a união de nossos irmãos terreno

Eloa Luizi Duque disse...

MANEEIROOOOOOOOOOO!!!!!

Alê disse...

Sem dúvida o texto traz informes interessantes acerca das candaces e das praticas sócio-políticas na qual estão envoltas. E naturalmente abre caminhos para novos e necessários estudos na área. O que gostaria apenas que fosse destacado é a completa ausência de fontes nos artigos. Seria possível que anexassse,especialmente em realção as condaces a origem de suas informações? Grata

Makini Oluchi (Edilene) disse...

Walter gostaria de comprar este cd interativo das viagens desta rainha cuxita, se puder me envie um n° de conta bancaria para que eu possa enviar o valor .

PRETAS POESIAS

PRETAS POESIAS
Poemas de amor ao povo preto: https://www.facebook.com/PretasPoesias