sexta-feira, 8 de junho de 2012

JOHN CHILEMBWE – UM PASTOR BATISTA CONTRA O RACISMO E O COLONIALISMO


Por Malachiyah Ben Ysrayl.
Historiador e Hebreu-Israelita
E-mail: walterpassos21@yahoo.com.br
Msn: walterpassos21@yahoo.com.br
Skype: lindoebano
Facebook: Walter Passos

O Malawi ocupa uma pequena região do sudoeste do continente africano, limita-se ao norte com Tanzânia, ao leste e ao sul com Moçambique e ao oeste com a Zâmbia. O seu nome se deve ao lago Malaui ou Nyasa, que ocupa um sexto do seu território.

A capital do Malawi é a cidade de Lilongwe, localizada no centro do país, o maior centro comercial é a cidade de Blantyre - Escócia, nome dado em homenagem à terra natal do explorador e pastor presbiteriano David Livingstone, que muito contribuiu com as suas viagens de “evangelização” para a colonização da África.

LAGO MALAWI


Os Chewas constituem 90% da população da região central, a tribo Nianja predomina no sul e a Tumbuka no norte. Além disso, um número significativo de Tongas vive no Norte; Ngonis - um ramo dos Zulus que vieram de África do Sul, no início dos anos 1800 - vivem abaixo do norte e regiões menores centrais, e os Yao, que são na sua maioria muçulmanos, predominam na região Sul do país e vivem em uma faixa larga a partir de Blantyre e Zomba ao norte do Lago Malawi e no leste da fronteira com o Moçambique. Bantus de outras tribos vieram de Moçambique como refugiados.


JOHN CHILEMBWE E A REVOLTA DOS BATISTAS

Neste país, provavelmente na região Chiradzulu de Niassalândia, nasceu John Chilembwe, por volta de 1871. Seu pai era um Yao e sua mãe era uma escravizada Mang'anja (grupo étnico tradicional da área, vítima da escravidão pelos árabes e dos Yao que eram comerciantes de escravizados).

Os Yao são originais do norte de Moçambique e migraram por causa da fome em seu país e auxiliaram como intermediários para os árabes. Chilembwe é uma mistura dos dois grupos étnicos, representa a situação de ambos. Ele cresceu sob a atmosfera de insegurança predominante das regiões Sul de Niassa. Quando os britânicos colonizaram a área em 1891, nomeando de Niassalândia, eles estabeleceram um governo e missões, e procurou controlar os povos nativos da região.

John Chilembwe, um homem alto, asmático, era o cozinheiro da família do missionário batista Joseph Booth e cuidava da sua filha, tornando-se seu amigo, como consequência foi batizado na fé batista em 17 de julho de 1893 por Joseph Booth, que havia fundado a Missão Zembesi Industrial de cunho fundamentalista como uma alternativa para as mais antigas missões presbiterianas da Escócia que exploravam a população nativa. Booth criticava as missões presbiterianas e pregava uma igreja igualitária, ideia radical e que agradou ao novo convertido. Booth pregava:

"Sinceramente agora, não é uma imagem maravilhosa de ver homens elegantemente vestidos ... pregando um evangelho de autonegação aos homens e escravas .... Eu nunca me senti tão completamente envergonhado .... Devemos ... obedecer ao ensino [o] [do Evangelho]. ".

Em 1897, John viaja com a família Booth para os EUA onde frequentou o Virginia Theological College, um seminário teológico preto, e teve contato com os ensinamentos do branco abolicionista John Brown e dos pan-africanistas Booker T. Washington, Marcus Garvey e outros pretos na América. Estes ensinamentos foram determinantes para as futuras decisões a serem tomadas.

Foi diplomado por esta faculdade teológica preta e ordenado pastor batista pela National American Baptist Convention, retornou a Niassalândia e fundou a Missão Providência industrial, criando sete escolas africanas independentes, que em 1912 tinha 1000 alunos e 800 estudantes adultos. Construiu uma igreja de tijolos bem arquitetada, e em um trabalho pan-africano plantaram lavouras de algodão, café e chá.

O esforço educacional do Pastor John Chilembwe na propagação da paz e do bem-estar da população, combatendo o alcoolismo, a necessidade do trabalho e do aprendizado, a censura veemente contra a prática de homicídios, roubos e todo o tipo de crimes, o fez um homem respeitado e admirado pelo seu povo.

John Chilembwe com sua mulher, Ida, e sua filha, Emma, em uma fotografia, provavelmente entre 1910 e 1914.

A crueldade e o racismo dos brancos colonizadores o obrigaram a tomar uma decisão: Ficar omisso concordando e participando da opressão e pregando uma vida futura no céu para os membros da sua igreja ou agir em combate ao racismo. Optou por uma teologia libertária e se envolveu diretamente no sofrimento dos seus paroquianos, decisão esta tomada décadas posteriores por diversos pastores batistas que não se calaram com o sofrimento do seu povo, um dos maiores exemplos foi o de Martim Luther King.

No período anterior a 1915 a fome atingiu a região e muitos imigrantes moçambicanos vieram para a região e concomitantemente grileiros brancos começaram a se apossar das terras mais férteis e iniciaram uma cobrança exorbitante aos moradores, obrigando aos homens a migrarem para cidades distantes.

Além disso, William Jervis Livingstone, um gerente de fazenda local, tratava seus trabalhadores (muitos deles paroquianos de Chilembwe) asperamente e incendiou igrejas rurais de Chilembwe, que reclamava em voz alta sobre o racismo.

Mas a sua profunda alienação seguiu do surto da I Guerra Mundial na Europa, bem como o recrutamento, que Chilembwe lamentou, dos homens de Niassa para as batalhas contra os alemães na vizinha Tanzânia. "Entendemos que fomos convidados para derramar nosso sangue inocente na guerra deste mundo .... [Mas] haverá quaisquer boas perspectivas para os nativos ... após a guerra?" Chilembwe perguntou. "Estamos impostos a mais do que qualquer outra nacionalidade sob o sol." O restante de sua carta aberta, assinada "em nome de seus compatriotas", foi um protesto forte contra o descaso aos africanos.

Um mês depois, em janeiro de 1915, Chilembwe decidiu "dar um golpe e morrer, pois o nosso sangue vai certamente significar algo no passado." Esta era a única maneira, ele declarou, "para mostrar ao homem branco, que o tratamento que estão dispensando aos nossos homens e mulheres era péssimo e nós estamos determinados a atacar primeiro e dar o último golpe, e, em seguida, todos morrem pela forte tempestade de exército dos homens brancos." Ele falou a seus 200 seguidores da inspiração de John Brown, e advertiu-lhes para não roubar nem para molestar as mulheres brancas. Em 23 de janeiro, em diferentes ataques, seus homens decapitaram Livingstone, mataram outros dois homens brancos e vários africanos , poupando um número de mulheres brancas e crianças, saquearam uma loja de munição em uma cidade grande próxima, e se retiraram para orar. Quando os ataques não conseguiram despertar o apoio local, Chilembwe fugiu em direção a Moçambique. Desarmado, vestindo um casaco azul escuro, uma camisa de pijama listrado sobre uma camisa de cor, e calças de flanela cinza, ele foi morto em 03 de fevereiro por funcionários coloniais.

Chilembwe é reverenciado como um herói moderno em Malawi, que alcançou a independência em 1964. Ele foi o primeiro a expor os principios do inconformismo colonial e o primeiro a quebrar a crença generalizada que "os nativos estavam felizes" sob a dominação estrangeira. um precursor e mártir do nacionalismo do Malawi.

Ele é relembrado no Malwi no dia 15 de janeiro como um heroi nacional.

"É muito tarde agora para falar do que pode ou não pode ter sido. Tudo o que seja pelas razões nós somos convidados a participar na guerra, a verdade é, somos convidados a morrer para Niassalândia. Nós deixamos tudo para a consideração do Governo, esperamos na misericórdia de Deus Todo-Poderoso, que algumas coisas do dia vão dar certo e que o Governo vai reconhecer a nossa indispensabilidade, e que a justiça prevalecerá."

JOHN Chilembwe
Em nome de seus compatriotas
Niassalândia tempos No.48, 26 de novembro de 1914

LOUIS ARMSTRONG -GO DOWN MOSES


 Acesse:
Poemas de amor ao povo preto: https://www.facebook.com/PretasPoesias

2 comentários:

mister disse...

Beroso,sacerdote Caldeus que viveu dos séculos IIV a III a.C. cujo o nome babilônico foi BEL-Usur ,foi um homem de excepcional objetividade,e graças a ele e seu profundo conhecimento de história o mudo helênico primeiro,e agora a ciência histórica,dispuseram e dispõe de notícias seguras,confirmadas pelos mais recentes achados arqueológicos e textos cuneiformes,acerca da antiguidade das civilizações.
A obra mais importante de Bel Usur foi escrita em grego e era titulada “BABYLONIAKÀ”; constatava de três livros publicados nos 210 a.C. e dos quais são conservados somente fragmentos. O primeiro livro estava dedicado a uma descrição da Babilônia ,da origem de sua civilização e de sua ciência astrológica que desde sempre possuíram ou herdaram da pré-história os povos mesopotâmicos, fundamento da posterior astrologia Caldéia .Nos segundo e terceiro Bel Usur tratou da cronologia e da historia da babilônia,e aqui as datas atribuídas a primeira instância,despertaram um ceticismo unânime e radicalizado nos especialistas,porque resultava o seguinte?
A)que antes do dilúvio reinaram 10 dinastias;
B)que depois do dilúvio reinaram 13 dinastias,até a conquista persa,por um período de 32.000 anos.
DANDO-se por reais os dados de Bel Usur,calculando por baixo,o período de tempo das 10 dinastias antediluvianas em uns 15 mil anos,a história da civilização Mesopotâmica deveria ser considerada remontando-se para o ano 50.000 a.C.
UMA CIVILIZAÇÂO COM 50.000 ANOS?
Demasiando tempo e lendas, foi concluído, como no caso de KHEMETH (Egito para os gregos) com relação a historia de sua civilização anterior á primeira dinastia menfítica. Mas os especialistas ( europeus,askenazis e brancos em geral),tanto no caso de KHEMETH como no da mesopotâmia,se equivocaram rotundamente ,pois os posteriores achados deste século confirmam que Bel Usur sabia o que dizia ,e que no de KHEMETH ,antes da primeira dinastia em Menfis ,ouve uma civilização negro-africana adiantadíssima,e que também se remontaria a uns 50-60.000 anos a.C.
Falando da época anterior ao dilúvio, Bel Usur disse que ‘’a realeza baixou dos céus Às cidades de Eridú e Badtibira-ki(oficina metalúrgica, literalmente)’’ nelas,como Larak e Sippar,que desapareceram com conseqüência do dilúvio,reinaram personagens muito famosos para posterior mitologia religiosa:Na,Enlil,Ea,Marduk,Damuzid,Zu-em,Ud,Ianna,Nergal,Iskur,Ninurda...e Xisutro , o rei que com sua “arca” salvou-se da catástrofe meteorológica ,cujo a memória Moises consignou na Bíblia chamando Xisutro com o Nome de Noé.
Os babilônios posteriores ao dilúvio chamavam a parte meridional da Mesopotâmia “pais dos sumérios”,e aos sumérios lhes davam o nome de” Kiengira “.

mister disse...

Mentira chave: datas erradas
KHEMETH :uma contradiçao

Os motivos são vários. Em primeiro lugar devemos assinar lar um fato que se hoje nos faz sorrir, por muitos século influi negativamente na mentalidade europeia, cristã crente e, portando, efetivamente propensa centralizar para a mítica terra de Abrahão, para a Ur dos Sumérios, toda sua entranhável curiosidade genealógica: o fato da tangível e esplêndida antiguidade dos monumentos egípcios(khemithas),prova e testemunho moleste de uma civilização que contradizia as afirmações bíblicas acerca das origens do mundo e sua cronológia.


Os prejuízos raciais
Em seguida jogavam contra o khemeth prejuízos raciais: concluindo tratava-se de uma região africana, e era inconcebível que alguns negróides houvessem adiantado aos “brancos mesopotâmicos” e arios. Quando não houve mais remédio sobre a origem ‘‘branca’’ eles mudaram sua teoria e alegaram a que a” egípcia foi a antiga civilização surgida na área da "meia-lua fértil",inste é, entre o grande Golfo Pérsico e o Mediterrâneo norte-afrincando, por "demonstrar" que "o vale do Nilo foi povoado por uma mistura de raça diversas: mediterrâneos,alpinos e montanheses chegado da Europa, Ásia e do norte da África" ,insiste hoje todavia o historiador Jacques Pirenne, "e em uma população assim misturada o tipo negróide não cessou de diminuir ante o elemento branco."

O Erro das classificações raciais
Faltaria mais. “E ignorando os mais elementares rudimentos da paleontropologia, saltando-se pelas boas as “classificações raciais” mais seria, o senhor Pirenne precisa que “ o fundo negróide da população parece constituído por elementos de” raça camitica” - como os gauleses e os somalis ( isto é o que eles consideram como negros mestiços como árabes )- fixado no sudeste do Egito, e por berberes da Líbia". O mal é que a força de dogmatizar prejuízos envolvidos em papel de aspecto científicos vão sendo transformados em "verdades" autênticos disparates, como o que acabamos de mencionar, que, dita seja a verdade, Pirenne não inventou: o tirou conclusões que faz publicas em 1921 o antropólogo Jacques de Morgan, já tendo -as adiantado em 1919 J.breadsted, e que em seguida foram repetidas, em 1937 , por H.Winkler,e em 1947, por F.Falkenburger, todos eles fontes suspeitadíssimas de "improvisação"e "arianismo"de hitleriana memória.E para conciliar e questão racial basta uma só pergunta, que os partidários de preponderância "branca" na civilização Khemitha deveriam contestar sem rodeios nem circunlóquios :Como é que suas europeias sedes e asiáticas e líbicas os emigrantes brancos não produziram civilizações anteriores e superiores á negroide e africana egípcia? Não será que os imigrantes subdesenvolvidos foram civilizados pelos negros de khemeth ?

PRETAS POESIAS

PRETAS POESIAS
Poemas de amor ao povo preto: https://www.facebook.com/PretasPoesias