sábado, 8 de dezembro de 2007

O BOM VELHINHO BRANCO E O MAU VELHINHO PRETO









Por Walter Passos. Teólogo, Historiador, Pan-africanista, Afrocentrista e Presidente CNNC – Conselho Nacional de Negras e Negros Cristãos. Pseudônimo: Kefing Foluke. E-mail: kefingfoluke@hotmail.com


Recordo-me dos diversos natais da minha infância na Igreja Presbiteriana, e sempre via lamentos e lacrimejos de meninas pretas por não poderem representar nas peças natalinas: os anjinhos. Criança adora participar e ser anjinho no natal, pois aumenta a auto-estima e a insere no vivenciar místico da religiosidade cristã, onde os anjos têm um papel fundamental como mensageiros de Deus, e muitos fiéis erradamente acreditam que um dia se transformarão em anjos na Glória Celestial.
Quando criança participei de diversos funerais de “anjinhos” pretos em caixões brancos, sendo apenas considerados anjinhos as crianças pretas após a morte. Eu acreditava piamente que se tornaram anjinhos, mas, nunca presenciei anjinhos pretos e vivos na igreja.
O tempo passa e a festa natalina continua nas igrejas como sendo a mais pomposa do ano, festejando o nascimento de Jesus Cristo, com seus presépios e dezenas de cânticos:
-Pinheirinho que alegria..
- Nasce Jesus...

E por ai vai, sendo mais alegres as crianças, que vivem sonhos e os transformam em fantasias. Mas quais os sonhos e fantasias repassadas e ensinadas para as crianças pretas?
Este ano já comecei a receber felicitação natalina e evidente que não vou responder. Vejo sempre no Orkut, pretos que mudam as suas fotos e colocam a de Papai Noel, o bom velhinho. Ficam até engraçados, por assim não se dizer ridículos, pretos de Papai Noel e Papai Noel Pretos, já começam a aparecer em alguns shoppings, tudo pelo consumismo para atrair o 13º salário da população, mas, felizmente, são poucos pretos de Papai Noel e abaixo vocês entenderão o por quê.
Todo estudante da História da Igreja sabe que a festa de Natal é uma adaptação da Igreja Romana, no século IV d.C, aos cultos ancestrais europeus que referenciavam o deus Sol, que era comemorado no dia 25 de dezembro, e nada tem haver com o Cristianismo de Matriz Africana. Contudo, tudo que vem do Norte é considerado sagrado, até os demônios natalinos também. Não podemos esquecer que o mal vem do Norte.
A palavra Natal vem do termo latino “Nativitas”, o mesmo que Nascimento, sendo o dia 25 de dezembro uma data referente a comemoração ao solstício de inverno e não tem nada haver com a data de nascimento de Jesus Cristo, e Papai Noel uma invenção européia reforçada na Contra-Reforma Católica, do bom velhinho que distribuía presentes no dia 25 de dezembro.
As crianças no início de sua formação são atingidas pelos meios de comunicação, religião, família e especialmente a escola e fortemente influenciadas por toda a existência.
Os autores brasileiros estereotiparam as personagens pretas como "Bertoleza", de Aluísio Azevedo e as diversas gerações foram influenciadas com Monteiro Lobato escritor de personagens como a de tia Nastácia, uma idosa preta, solteira, cozinheira, medrosa, analfabeta e abobalhada que servia de chacota para as crianças e adultos:
- Deus me livre de entrar num quarto onde há garrafa de saci dentro! Credo! Nem sei como dona Benta consente semelhante coisa em sua casa. Não parece ato de cristão…
(LOBATO, Monteiro. O Saci in Obra infanto-juvenil de Monteiro Lobato, v. 2)
Bestializada ao invés de lábios, beiços grandes, sempre assustada e medrosa, quituteira e em alguns casos "vilã", quando o assunto é o porco Rabicó
- salvo da panela por Narizinho..
Supersticiosa, a tudo esconjura com um "cruz-credo". Ou, como resumiu Emília, num raro elogio:
-Tia Nastácia é uma danada!
- "A boa negra deu uma risada gostosa, com a beiçaria inteira"
Por outro lado a Dona Benta de formação cultural eurocentrada demonstrava conhecimentos e bondades nunca existidos nas mulheres brancas em relação ao povo preto na real história brasileira.
E também o tio Barnabé, um preto idoso de mais de 80 anos, que contava histórias e não passava de um preto bobo.
Na tradição de muitos contos brasileiros os idosos e idosas pretas são considerados violentos e assustadores. Na minha infância, eu tive medo do velhinho do Saco que seqüestrava as crianças, retira o fígado e comia. Isso me dava medo de idosos brancos porque eu sabia que os idosos pretos não assustavam, eu os chamava carinhosamente de vovô ou de vovó. Recordo-me da vovó, uma senhora que era zeladora de umbanda, assim diziam, mas, todos e todas pediam a benção e eu fazia o mesmo, ela era carinhosa e bondosa. Nunca tive medo de idosos pretos e pretas, mas tinha medo dos idosos brancos, hoje sei que eles deveriam ter medo das crianças pretas, sempre me olhavam assustados e temerosos.
Como citado, à população preta é sempre estereotipada, podemos ver no poema racista, relacionado ao mulatismo e a mulher preta, em “Sobre Mulatas Orgulhosas e Crioulos Atrevidos”: conflitos raciais, gênero e nação nas canções populares (Sudeste do Brasil, 1890-1920):
A branquinha é prata fina
Mulata – cordão de ouro
Cabocla – cesto de flores
A negra – surrão de couro
A branca come galinha
Mulata come peru
Cabocla come perdiz
A negra come urubu
Dentro desse modelo racista, inclusive os Idosos Pretos também foram atingidos. O Idoso do Surrão, ou Negro do Surrão, é citado dentro do Clássico de Gilberto Freyre Casa-Grande & Senzala (pág. 458 da 9.ª edição brasileira), como um estereótipo do Idoso Preto, que maltrata as crianças, matava, esquartejava e as comia. Conforme descrita em canção popular:
Canta, canta
Meu surrão
Que eu te dou
Com este bordão.
É mister, desmascarar o que tem sido ensinado de geração em geração, onde o Idoso e Idosa Pretas são àqueles do qual as crianças pretas devem temer, enquanto, o bom velhinho, Papai Noel, branco e gordo, é aquela do qual devem esperar presentes e fazer pedidos no Natal.
À crença no Papai Noel, idoso branco, bondoso, carinhoso, justo, presenteador, em contraste com o Idoso do Surrão, preto, sujo, mal, seqüestrador e assassino, faz com que as crianças percam o respeito à ancestralidade, o carinho, pelos idosos e idosas pretas e as crianças brancas aprendem o preconceito e a falta de respeito pelo povo preto.
Devemos empretecer e abandonar os conceitos racistas que os brancos introduziram na nossa comunidade, perfazendo novas leituras e interpretações das lendas e mitos construídos e/ou introduzidos na comunidade Preta em território brasileiro, baseados em pensamentos racistas, em outras palavras, mitos discriminatórios planejados dentro e pós-regime escravagista.
O Velho do Saco, na verdade é o Idoso do Surrão o qual trabalhei em meu livro infantil: O Boi Mandingueiro e o Saci.
Fiz no meu livro uma desconstrução de personagens pretas como o Saci que tem duas pernas, não sendo mutilado e nem viciado em tabaco, uma criança amiga de todos na floresta.
O Idoso do Surrão, um griot guardador das tradições e protetor de todas as criancinhas, que traz no saco frutas e remédios da floresta.
“Esse Idoso era amoroso, cheio de netinhos e netinhas... Era um médico ancestralista africano, que conhecia as ervas a terra, a água e todas as forças da natureza. Amava todas as pessoas e só fazia o bem. No surrão levava frutas e doces para as criancinhas assenzaladas, e receitas da floresta para curar as doenças de todas as pessoas”. [extraído do livro O Boi Mandingueiro e o Saci, de Walter Passos].
A nossa história ancestral é detentora de tradições africanas de respeito aos idosos e idosas em todas as culturas. Nós, pretas e pretos cristãos, devemos nos assenhorear da história, falarmos para as nossas crianças pretas, que Papai Noel nada tem a haver com o Yeshua, que Papai Noel é uma invenção branca e demoníaca, e serviu e serve para o capitalismo norte-americano, foi o chamariz das grandes vendas de coca-cola em 1930.

O grande fator interessante é a perseguição a tudo que é de origem africana: as nossas culturas ancestrais; as reelaborações de cultos de matriz africana; as línguas dos nossos antepassados, mas, a manutenção dos demonismos do norte é mantida e não contestados dentro das igrejas cristãs, e infelizmente perpetuados por lideranças pretas de diversas religiões. O CNNC/Ba não festeja o Natal e desde o ano passado adotamos a Kwanza como celebração e lembrança das nossas origens africanas.
Recordemos que a nossa ancestralidade é de respeito aos idosos e idosas e que sejamos verdadeiros griots para as nossas crianças.



Que Yeshua nos abençoe e tenhamos um belo Kwanza a partir do dia 26 de dezembro !

4 comentários:

Flavio Tongo disse...

Parabéns pelo artigo.
Muito esclarecedor e reflexivo.
Atenciosamente,
Flavio Tongo
www.flaviotongo.com.br
Orkut: Flavio Tongo

Crisléa disse...

Walter...

Nunca havia parado para prestar atenção "no bom velhinho"... É como o Flávio diz, este artigo esta super esclarecedor e reflexivo sobre onde está a nossas para onde somos direcionados.

Atenciosamente,

Crisléa

Antonio disse...

Excelente artigo para se repensar o Natal, embora entenda que as mudanças se darão aos poucos e que o papai noel preto, já é um caminho para tais mudanças.

Saudações Negra,

Toninho
toninfor@yahoo.com.br

Anderson [Thug $outh] disse...

muito bom..esse artigo mesmo...com nasci num familia evangelica nunk comemorei..natal apesar q quando criança cheguei a acreditar..mas depois fui crescendo e vi a verdade..q nao passava..de um feriado comercial como sei la o dia das maes dos pais e entre outros...

kwanza...eu conhece..faz poko tempo num seriado afro americano e achei bem legal bem interessante...

PRETAS POESIAS

PRETAS POESIAS
Poemas de amor ao povo preto: https://www.facebook.com/PretasPoesias