sábado, 28 de abril de 2012

A RESISTÊNCIA AFRICANA EM MARTINICA - AG`YA - LADJA OU DANMYE



Por Malachiyah Ben Ysrayl.
Historiador e Hebreu-Israelita
E-mail: walterpassos21@yahoo.com.br
Msn: kefingfoluke1@hotmail.com
Skype: lindoebanoLinkFacebook: Walter Passos


Há muito ainda que se conhecer sobre a história da resistência dos africanos nas Américas.

A mídia e os estudos eurocêntricos não tem nenhum interesse em informar que em toda a América escravista houve diversas formas de dizer não à escravidão e de afirmar o pertencimento à ancestralidade. Como tenho afirmado, é necessário um estudo da América Africana, porque geopoliticamente a América é brancamente dividida: América Anglo-Saxônica, América Latina, Luso América, e outras renomeações que os colonizadores e suas geografias dominantes criaram objetivando colocar os africanos nas últimas categorias de identificação.

Contudo, há uma América Africana que não se cala e torna-se necessário que ela seja estudada e difundida para as nossas crianças, só assim poderão entender a crueldade do tráfico transatlântico que sangrou o continente africano e espalhou as nossas famílias por toda o continente americano.

A história da Martinica, como em toda a América Africana, foi de lutas de classes e racismo, baseado no extermínio dos nativos, na escravidão e exploração da mão de obra africana, aonde muitos judeus que vieram da capitania de Pernambuco, em 1654, fugindo da Inquisição Portuguesa, se enriqueceram com o infamante tráfico e exploração da mão de obra escravizada da Costa Ocidental Africana. Os judeus enriqueceram com a exploração dos africanos em toda a América escravista.

O imperialismo francês com a ideia de liberdade, igualdade e fraternidade para os franceses dominou extensas regiões na África, Ásia e América. Para os africanos, o lema foi: Escravidão, desigualdade e hostilidade, fato este ocorrido nos domínios franceses na América: Haiti, Guiana Francesa, Guadalupe, Martinica e outras regiões nas Américas.

Um dos seus mais ilustres nativos da Martinica foi Frantz Fanon que tem dois livros conhecidos pela intelectualidade preta: Pele Negra, Máscaras Brancas e Os Condenados da Terra.

Outro importante intelectual foi Aimé Fernand David Césaire, poeta, dramaturgo, ensaísta e político da negritude, publicou diversas obras e seu pensamento e a sua poesia influenciaram não só escritores francófonos, mas também outros intelectuais africanos e pretos americanos, na luta contra o colonialismo e a aculturação. Fundou o jornal “L'Étudiant noir”. Foi nas páginas desta publicação que apareceu pela primeira vez o termo “Negritude”. Este conceito, forjado por Aimé Césaire em reação à opressão cultural do sistema colonial francês, visava rejeitar o projeto francês de assimilação cultural e promover a África e a suas culturas.

Na Martinica foi desenvolvida uma arte marcial muito interessante chamada AG `YA - OLADJA DANMYE, que foi documentada pela primeira vez no ano de 1936.



No primeiro olhar parece um jogo de capoeira angola, uma vadiação dos velhos mestres, mas, não é capoeira. As origens do AG `YA - OLADJA DANMYE ainda são controversas, e não é uma compilação da capoeira brasileira, porque já em 1936 já era praticado na Martinica, fato documentado pela pesquisadora Katherine Dunham.

Não vou entrar em uma explicação da origem da capoeira e muito menos a sua comparação com AG `YA - OLADJA DANMYE porque existem grandes mestres de capoeira que podem nos ensinar bem e merecem toda a nossa atenção e respeito. Recordo-me quando frequentava a academia do saudoso Mestre João Pequeno na década de 80, ele me ensinou que a capoeira era a dança do NGOLO, uma espécie de dança da zebra praticada em Angola que os rapazes dançavam para conquistar namorada, nas palavras do Seu João. Alguns mestres que estão lendo o artigo podem nos explicar melhor sobre AG `YA - OLADJA DANMYE e a Capoeira. O espaço está aberto para os mestres e nós ansiosos para aprender.
Jogo de capoeira:



Como historiador, sei que não há um local especifico ou de dominação da ancestralidade africana nas Américas. Onde foi levado o africano ai chegou as suas manifestações e recriações ancestres, exemplo este que vemos nas religiões de matriz africana: Santeria em Cuba, Orisa de Trinidad e Tobago, Vodun no Haiti, Winti no Suriname, Candomblé no Brasil, para exemplificar.

AG `YA - OLADJA DANMYE, como toda arte marcial de origem africana, se desenvolveu na necessidade da resistência do escravizado ao opressor branco, da manutenção das danças ancestrais e da continuidade de lutas praticadas nas terras africanas.

É um arte que tem a finalidade de anular o oponente, alguns afirmam que parece com uma luta praticada no Senegal. É acompanhada por toques de tambores e cantoria. As artes africanas possuem a espiritualidade, a musicalidade e a dança.



 Acesse:
Poemas de amor ao povo preto: https://www.facebook.com/PretasPoesias

3 comentários:

Amenhotep disse...

Hotep! Esta matéria faz-me lembrar do saudoso Mestre Caiçara e de suas aulas, encontros de capoeira que ele promovia, sempre às sextas-feiras à noite e aos sábados pela tarde. Como estes grandes Mestres eram criminalizados pelas "elites" brancas!Ser capoeirista significava possuir uma espécie de lepra social.Tudo isto na visão destas elites "judaizadas" e racistas. Graças ao trabalho incansável destes grandes mestres,
nossa juventude, hoje, tem orgulho
em frequentar rodas de capoeira.

Amenhotep disse...

Hotep! Esta matéria faz-me lembrar do saudoso Mestre Caiçara e de suas aulas, encontros de capoeira que ele promovia, sempre às sextas-feiras à noite e aos sábados pela tarde. Como estes grandes Mestres eram criminalizados pelas "elites" brancas!Ser capoeirista significava possuir uma espécie de lepra social.Tudo isto na visão destas elites "judaizadas" e racistas. Graças ao trabalho incansável destes grandes mestres,
nossa juventude, hoje, tem orgulho
em frequentar rodas de capoeira.

Unknown disse...

o ultimo video se passa em Sainte Marie (santa Maria), cidade berço do Bèlè e do Danmye. foi na festa de sabado de aleluia, uma data especial para os praticantes desta arte; nesse dia até fiz um jogo de capoeira com o menino mais novo do ultimo video, ele com o danmye e eu com a minha angolinha, tudo no ritmo do tambor e da mandinga africana foi show!

PRETAS POESIAS

PRETAS POESIAS
Poemas de amor ao povo preto: https://www.facebook.com/PretasPoesias