terça-feira, 13 de janeiro de 2009

TIMBUKUTU

Por Walter Passos. Teólogo, Historiador, 
Pan-africanista, Afrocentrado 
Pseudônimo: Kefing Foluke. 
E-mail: walterpassos21@yahoo.com.br








Timbuktu foi o maior centro universitário mundial durante séculos, dando continuidade aos conhecimentos espalhados por toda a África em épocas anteriores.
Timbuktu é conhecida como a “cidade santa”, a “misteriosa”, a “inacessível”, a “cidade do ouro” está situada no nordeste do atual Mali, ao sul do imenso deserto do Saara (maior inclusive do que o Brasil) e um pouco afastada da margem esquerda do rio Níger. Foi um dos maiores centros comerciais da história africana da rota do sal e outras mercadorias. Em Timbuktu trocava-se ouro por sal, que era escasso naquela região.

Deserto do Saara
Fundada por volta do século XI pelos tuaregues, a cidade se impôs, a partir do século XIV, como um centro de comércio importante entre o antigo Sudão e o Magrebe, para servir às caravanas que traziam sal das minas do deserto do Saara para trocar por ouro e escravos, trazidos do sul por aquele rio. As três grandes cidades da região (Timbuktu, Gao e Djanné) tornaram-se os pólos de uma efervescente civilização preta cuja memória permaneceu viva. No século XV, Timbuktu contava com não menos de 100 mil habitantes, dentre os quais 25 mil estudantes que frequentavam a Universidade de Sankoré, atualmente transformada em mesquita.
Imperador Mansa Musa


Kankan Mansa Musa foi o décimo imperador Mansa, ou imperador do Mali durante seu auge no século XIV, entre os anos de 1312-1337. Tornou-se famoso por ser um dos grandes benfeitores do conhecimento em Timbuktu.
Durante o período do seu reinado, houve um crescimento do nível avançado de vida urbana nos grandes centros do Mali, especialmente em comparação com o relativo atraso da Europa. Fazendo do Mali um dos principais centros mundiais de conhecimento, estrutura urbana e riquezas.
O Imperador Mansa Musa também foi conhecido por sua peregrinação a Meca, aonde constituiu uma caravana com mais de seis mil pessoas, incluindo mais de cem camelos carregados com mais de 300 kg de ouro cada.
A Universidade de Sankoré foi o mais importante centro universitário de Timbuktu.

MANUSCRITOS DE TIMBUKUTU
Acreditam os estudiosos que há 1.500,000, 00 (hum milhão e meio) de manuscritos em Timbuktu, em que apenas 10% foram restaurados (cento e cinqüenta mil). A maioria destes documentos está em poder de famílias e estão enterradas do deserto, como um bem mais precioso do que o ouro. Nos manuscritos encontram-se atas jurídicas referente à vida dos hebreus (erroneamente chamados de judeus) e de renegados cristãos, assim como estudos de gramática, teologia, astronomia, música, botânica, direito, ciências, comercio, matemática, geografia, história, química, medicina, Economia, Política, entre outros.
Inclusive ao traduzir um manuscrito matemático para francês e enviá-lo a França foi confirmado que o conteúdo de álgebra ensinado em Timbkutu no século XVI, é hoje estudado no segundo ano daquela graduação nas Universidades Francesas.
Considerados como um maná científico inédito, esses manuscritos contradizem o mito da oralidade africana sustentado por intelectuais, como o falecido Hamadou Hampâté Bâ.
A escrita foi parte ativa de eminentes civilizações africanas como Kemet e ainda a indecifrável escrita kushita, uma das mais antigas da história humana; nossa escrita é erroneamente considerada ocidental e branca, pois foi copiada pelos gregos (mestres da cópia e apropriação de conhecimentos) da população preta fenícia.
Obras raríssimas, escritas em língua árabe, por vezes no idioma fula (peul), e em grego por eruditos originários do antigo império do Mali, são considerados um dos mais preciosos escritos da história mundial e se forem traduzidos mudarão a história da África e do planeta.

Ahmed Baba
Ahmed Baba, também conhecido como o “Sudanês o preto”, foi um dos mais importantes doutores em Timbuktu. Foi o último chanceler da Universidade de Sankoré. Ele foi um dos maiores estudiosos Africanos da final do século XVI. Sua vida é um brilhante exemplo de como a variedade e a profundidade do Oeste Africano a atividade intelectual antes da época colonial, escreveu mais de 40 livros: quase todos os livros tinham temas diferentes. Ele estava em Timbuktu, quando foi invadida pelos marroquinos em 1592, e ele foi um dos primeiros cidadãos a protestar contra ocupação de sua amada cidade. Durante a sua expatriação, sua coleção de 1.600 livros, uma das mais ricas bibliotecas do seu dia, estava perdida. E a única biblioteca pública em Timbuktu atualmente, o Instituto Ahmed Baba (que armazena mais de 18 000 manuscritos) é nomeado em sua homenagem.
HEBREUS PRETOS EM TIMBUKTU
 As dez tribos que formaram o reino de Israel após a destruição pelos assírios, no oitavo século, foram dispersos em 586 a.C, quando Nabucodonosor destruiu o Templo de Adonai. Os hebreus fugiram para a África. O rei babilônico levou a tribo de Judá em cativeiro.
A presença de hebreus na África data de quase três mil anos, sem comentar dos hebreus que seguiram para a Etiópia seguindo Balkis ou Makeda a rainha de Sabá.
Os hebreus se instalaram em grandes impérios, como nos impérios do Oeste Africano: Songhai, Mali, Gana e Kanem-Bornu. De acordo com inúmeros relatos contemporâneos de visitantes à esta região vários governantes e administradores do império Songhai eram de origem hebraica até Askia Muhammad subir ao poder em 1492 e decretou que todos os hebreus deveriam se converter ao Islã ou saíram da região.

Na aldeia de Kirshamba, todos os descendentes de hebreus têm o último nome de Djarumba, o que significa o mesmo que "Aliahoudou-Hou," a palavra para hebreus em Songhai.
Em 1984, um historiador de Timbuktu chamado Ismael Haidera começou a investigar a sua história familiar. Ele descobriu, em antigos documentos relacionados a sua família, escritos em hebraico e com muitos nomes hebraicos, e concluiu que ele era, de fato, um descendente de hebreu, embora a família tivesse há muitos anos se convertido ao Islã e procurou esconder a suas origens hebréias, um cumprimento da profecia de que os hebreus dispersos viriam a adorar outros deuses. Ele investigou outras famílias em Timbuktu e as aldeias adjacentes, e descobriu origem hebraica. Todos estavam praticando o islamismo, embora houvesse histórias de aldeias onde ritos hebreus foram praticados em segredo. Em 1993 formaram uma sociedade para todos aqueles alegando ancestralidade hebraica, e em 1997 ele transformou a sociedade em um órgão formal administrativo. Os seus objetivos são para recolher e preservar os registros históricos de famílias hebréias na área, para manter os cemitérios onde estão enterrados, e para voltar a estabelecer uma comunidade hebraica na área, embora isto não parecesse implicar a prática religiosa, que seria difícil em um país muçulmano.
Todos os hebreus em Timbuktu foram convertidos ao longo das gerações ao Islã ou ao Cristianismo, recentes pesquisas históricas estão levando várias famílias a descobrirem a religião de seus antepassados. O Culto a YHWH.
As poderosas civilizações do Vale do Nilo: Nubia-Kush, Khemet e Axum ainda não foram devidamente estudas. As civilizações da Suméria, Babilônia, Harappan, entre outras e a formação do povo hebreu comprovam que todos os conhecimentos estavam com o povo original: Os Pretos.
Timbuktu - Black African History



ACESSE PRETAS POESIAS:

4 comentários:

farao disse...

E um fato ! o Brasil não tem interece que saibemos destas informaçoes isto seria um revolusão no encino de escola ,por que o que forma um cidadão consciênte e o encino de Historia , da sua origem isto seria um revolusão enorme ,por que de subjulgagos ,seriamos agora respeitados também pela historia , também e um fato que sem os mouros de mauriatania a Europa ainda estaria na idade media ! divulgar este material e muito importante , e conserteza estarei fazendo minha parte com a ajudas destas pessoas copetentes que vocês são , axé

garotinha disse...

Interessante.
Uma dúvida: O culto a yahweh é então anterior ao culto aos orixás ou ambos são contemporâneos, surgindo em regiões diferentes?

Maria Ester disse...

Olá Kefing! Muito interessante o texto postado, importante que tenhamos estes dados de que a escrita também faz parte de nossa história. Tenhas um ano abençoadíssimo juntamente com sua família. Parabéns a todos e todas pelo empenho em estudar e divulgar a nossa história. Abraço fraterno, Ester.

Eduardo disse...

Ótimo artigo, gostei muito, voces estão de parabens pelo trabalho de divulgação das culturas do continente africano

PRETAS POESIAS

PRETAS POESIAS
Poemas de amor ao povo preto: https://www.facebook.com/PretasPoesias